futuro do trabalho

Futuro do trabalho: veja por que o modelo tradicional está ultrapassado

CarreiraEmpresas

O futuro do trabalho já dá seus sinais de que, em breve, será predominante no mercado. Um dos principais impulsionadores desse novo cenário está no crescimento de uma outra tendência: o gig economy.

Antigamente, os trabalhos esporádicos eram chamados de “bicos”, hoje em dia são freelancer. Essa relação de trabalho, mais flexível, foi a forma que as pessoas e empresas encontraram de tirar vantagem das facilidades do mundo digital.

O modelo tradicional, no qual os empregados devem seguir parâmetros e determinações da organização que o contrata, está perdendo força. As novas gerações já não conseguem se “prender” aos antigos padrões e algumas características ajudam a entender melhor essas mudanças.

Quer saber quais são? Fique atento que eu vou contar logo abaixo.

1. Necessidade de “bater ponto”

Se você tem mais de 40 anos, deve se lembrar de como eram os relógios de ponto. Nada de impressão digital ou leitor de retina. Você tinha que pegar o seu cartão e marcá-lo puxando uma alavanca. Agora pare e pense comigo: você consegue imaginar uma pessoa de aproximadamente 25 anos fazendo isso?

Esse estranhamento não vem apenas da metodologia de marcação antiga, mas também do propósito que há por trás dessa prática. O cartão de ponto é um dos símbolos do controle que as organizações exercem sobre seus funcionários. O que os novos profissionais buscam é exatamente o oposto disso.

2. Horas perdidas no trânsito

futuro do trabalho

A falta de mobilidade nas grandes cidades já chegou em um ponto tão crítico que não é exagero falar que as horas de trânsito adoecem as pessoas. Estresse, brigas, um eterno anda e para. É ruim para quem dirige, é péssimo para quem depende do transporte público. Sem falar em tudo o que poderia ser feito em todo esse tempo.

Os profissionais são multitarefa, querem aproveitar melhor as suas horas para produzir, gerar valor. O custo com o deslocamento e a exigência de fazer isso nos piores horários limita o potencial desses talentos e prejudica seu desempenho e sua saúde.

3. Falta de um propósito pessoal

Depois de décadas sendo levadas pelo consumismo, as pessoas agora buscam dar sentido às suas existências. Elas saem de suas casas para fazer a diferença no mundo, para causarem melhorias e impactar outras pessoas. No modelo tradicional elas, novamente, são limitadas pelo que a empresa permite fazer.

O futuro do trabalho envolve o compartilhamento de ideias e ideais. Organizações que abraçam as causas de seus colaboradores e investem em seu crescimento. Uma troca de conhecimento que promove a evolução para ambos os lados.

4. Ausência de liberdade

Já mencionei a palavra limitação e suas derivações algumas vezes até aqui, não é mesmo? O limite imposto pela relação tradicional de trabalho vai contra tudo o que a nova geração de profissionais busca e acredita. A liberdade é algo altamente valorizado e gera resultados muito benéficos para o negócio.

Ela inclui o poder de trabalhar de locais diferentes em alguns dias, em horários alternados em outros, ou mesmo viajar para acompanhar um evento e aproveitar as horas vagas para realizar as tarefas pendentes. São questões que desenvolvem o senso de responsabilidade e disciplina e que ajudam a reter os melhores talentos.

futuro do trabalho

5. Networking

A única forma de empregados de uma empresa tradicional melhorarem o seu networking é participando de feiras e eventos do setor. Ou visitando pontualmente outras organizações e recebendo visitas em troca. Mais uma vez, tudo muito limitado. Todos os dias, as mesmas pessoas, sentadas nos mesmos lugares, discutindo os mesmos assuntos.

O futuro do trabalho requer mais mobilidade e flexibilidade. Cumprir sua jornada em um ambiente mais dinâmico, moderno e estimulante. Compartilhar espaços com outras empresas ou de forma autônoma com outros profissionais. Conhecer novos negócios, estabelecer novas parcerias e ver as mesmas situações a partir de novos pontos de vista.

6. Cultura de educação contínua

Estamos na era do conhecimento. Os dados e informações são a principal riqueza da atualidade, tanto que existem criminosos sequestrando as empresas mais descuidadas. A facilidade de acesso a qualquer tipo de informação instigou a curiosidade dessa geração, além disso, a busca pela educação contínua se tornou algo comum.

Enquanto no modo tradicional é preciso depender de treinamentos específicos e de toda uma burocracia para obter novos conhecimentos, o novo modelo traz inúmeras facilidades. Os profissionais que trabalham em coworking estão sempre promovendo encontros nas comunidades, discussão de temas profissionais ou sociais, em um movimento constante de discussão e aprendizado.

7. Explosão de coworkings

Os coworkings são tanto fruto dessa nova relação de trabalho quanto seu potencializador. O aumento da quantidade de espaços compartilhados no Brasil deu uma grande salto recentemente. Segundo o censo realizado pela Coworking Brasil, entre 2016 e 2018, o número de espaços mais que dobrou. No período seguinte, o crescimento também foi bastante expressivo, ficando em 48%.

Em 75% dos casos, o espaço é multidisciplinar, e mais da metade dos locais entrevistados promove eventos para a comunidade com frequência mensal ou bimestral. Além dos profissionais autônomos, empresas com equipes de até 6 pessoas são a grande maioria nos coworkings.

futuro do trabalho

Todas as limitações que citei até aqui não são encontradas nesse tipo de ambiente. Mesmo que a empresa adote um único local para se instalar, seus colaboradores estarão envolvidos em um outro cenário. Criatividade, inspiração e motivação são os principais atributos que beneficiam essa mudança.

Então, se você quer preparar o seu negócio para o futuro do trabalho, precisa entender que o modelo tradicional está ultrapassado, e insistir nele pode colocar tudo a perder. Abra-se para o novo, permita que a evolução aconteça em sua empresa. Quanto mais disposto a isso você estiver, mais natural será o processo e melhores serão seus resultados. Garanta a sobrevivência do seu negócio e invista em seu sucesso!

Se, depois de ler este artigo, você entendeu bem a importância de proporcionar um ambiente mais moderno e favorável para seus colaboradores, que tal conhecer um pouco mais sobre os coworkings? Baixe nosso guia prático Tudo que você precisa sobre coworkings e veja como esses espaços podem ajudar o seu negócio a evoluir!


Natália Fernandes é analista de conteúdo e co-fundadora da Começando na Web.

fazer uma proposta comercial

Freelancer: como fazer uma proposta comercial assertiva?

coworkingNetworking

Muitos profissionais têm dificuldade em precificar seu trabalho, fazer uma proposta comercial. Seja por falta de conhecimento sobre o mercado. Por não saber elaborar uma proposta. Ou mesmo por ter muita habilidade técnica sobre a área que domina, mas falta noção de administração do negócio.

Contudo, não dá para manter uma cartela de clientes sem ter noção do valor do seu dia/hora. Ao buscar novos clientes, ou mesmo manter os antigos, é preciso ser assertivo na combinação das habilidades requeridas, experiência/reputação e preço. Só assim você conseguirá, de fato, fazer uma proposta comercial viável.

O que não pode faltar ao fazer uma proposta comercial?

O cliente que procura freelancers precisa ter segurança na qualidade do seu serviço. Mas, mais que isto, seu preço precisa condizer com suas entregas. Portanto, para fazer uma proposta comercial assertiva, o primeiro passo para começar com o pé direito é definir claramente seu perfil. Deixe claras suas habilidades. E, claro, prospectando projetos que tenham relação com suas expertises.

Outro aspecto essencial a ser considerado é o valor do seu trabalho. Como mencionamos acima, é indispensável pesquisar os valores que estão sendo praticados no mercado. Esta pesquisa servirá como base para você fechar seus valores. Mas, lembre-se: cobrar muito abaixo do valor de mercado, apenas para fechar clientes, além de te desvalorizar, pode sair caro para você no fim do mês.

Por outro lado, supervalorizar seu serviço, colocando preços impraticáveis, pode te tirar do mercado antes mesmo de você se estabelecer.

fazer uma proposta comercial

Como se apresentar ao mercado?

Fazer uma proposta comercial é essencial. E apresentá-la ao mercado tem o mesmo peso. Se você elabora um material com excelência, chega à preços justos e tem certeza da qualidade das suas entregas, apresentar isso ao cliente é imprescindível.

Muitas coisas que estão na proposta escrita, se concretizam após uma conversa pessoalmente. Muitas vezes essa conversa pode ser via videoconferência ou telefone. Mas o fato é que quando você passa segurança, confiança e credibilidade no seu serviço, a proposta vem apenas para formalizar a negociação.

Se você entendeu o valor de uma proposta bem estruturada, a importância da sua segurança ao apresentar sua proposta, agora é hora de se estruturar fisicamente também. É hora de entender o diferencial em ter um escritório para receber seus clientes.

Sou freelancer, não tenho escritório. E agora?

Você é freelancer, autônomo ou microempreendedor e vive de cafeteria em cafeteria para se reunir com seus clientes? Achamos que já passou da hora de se organizar e garantir um espaço adequado para desenvolver seus projetos.

O home office é sempre uma boa opção, mas não dá para ser a única. Trabalhar um dia, uma semana ou uma temporada em casa tem muitos benefícios. Mas fazer de sua casa seu local definitivo de trabalho pode trazer problemas. Seja por dificuldade em distinguir os horários para executar as demandas pessoais e profissionais. Seja por falta de espaço para receber clientes, seja por necessidade de um lugar para se conectar com o trabalho, o fato é que seu lar nunca será visto exclusivamente como estação de trabalho.

fazer uma proposta comercial

Bom, se você se identificou com estas afirmativas, mas continua sem condições financeiras ou mesmo de tempo para buscar um escritório fixo, os coworkings são ótimas pedidas. Um lugar com infraestrutura para te receber e com custos compartilhados é o que você precisa para se estabilizar e agregar valor ao seus serviços.

Os escritórios compartilhados já são prática comum em muitos países fora do Brasil. E por aqui eles já se espalharam pelos estados. Diversos quesitos distingue uns dos outros, mas sempre com o mesmo objetivo: oferecer o espaço ideal para a prestação dos mais diversos serviços. Mas sempre com foco na economia compartilhada.

Já pensou em ser um coworker? Busque um coworking perto de você, hoje mesmo!

Até!