Pessoas com necessidades especiais no coworking

Pessoas com deficiência (PcDs) no coworking: entenda mais sobre acessibilidade no trabalho

coworkingFuturo do TrabalhoPropósito

Um espaço acessível é fundamental para atender a pessoa com deficiência (PcD) no coworking. Saiba o que seu escritório compartilhado precisa para receber esse público com segurança e qualidade.

É essencial que as empresas contem com a PcD (pessoa com deficiência) no quadro de funcionários. Não apenas pelas exigências da lei, mas, principalmente, pela consciência da importância de trabalhar a inclusão.

Com isso, é preciso estar preparado para receber a pessoa com deficiência (PcD) no coworking.

No Brasil, há o Decreto Legislativo 186, de 2008, que fala sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência. O texto foi aprovado na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e assinado no dia 30 de março de 2007, em Nova Iorque. 

De acordo com uma pesquisa realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2019, havia quase 25% da população com algum tipo de deficiência no país.

Por essa e outras questões, os espaços devem ser acessíveis, o que vai muito além de somente intitular-se como um local acessível. Como os escritórios compartilhados têm se tornado uma alternativa para muitas empresas, é importante que estejam prontos para receber pessoas com deficiência.

Pessoas com necessidades especiais no coworking

Perfil da pessoa com deficiência (PcD)

A pesquisa realizada pelo IBGE também relatou o perfil das pessoas com necessidades especiais no Brasil. Entre os brasileiros PcDs, o estudo constatou que:

  • 3,8% possuem deficiência nos membros inferiores;
  • 2,7% possuem deficiência nos membros superiores;
  • 3,4% são deficientes visuais;
  • 1,1% são deficientes auditivos e
  • 1,2% possuem deficiência intelectual.

Além disso, o levantamento apontou que, em sua maioria, as PcDs são mulheres, compondo 10,5 milhões, quase 10% do total da população brasileira. Quanto aos homens, 6,7 milhões possuem alguma deficiência.

Em relação ao nível de escolaridade, cerca de 68% não têm instrução ou não possuem o ensino fundamental completo.

Como receber e atender pessoas com deficiência no coworking

O profissional PcD está presente em diferentes profissões e precisa de um ambiente confortável e seguro para atuar.

Você sabe o que fazer para garantir uma recepção agradável e evitar transtornos para quem possui algum tipo de deficiência?

Confira abaixo dicas para receber e atender PcDs no coworking.

Acessibilidade estrutural

As mudanças devem começar na estrutura do coworking. O espaço precisa ser adaptado para receber a PcD. O correto é pensar nisso antes mesmo de iniciar as atividades, mas, caso planeje uma reforma, já imagine um local acessível para todos.

Para facilitar a entrada de cadeirantes, rampas logo na entrada, substituindo ou complementando as escadas, mesas com altura adaptável, corredores mais largos e a presença de corrimão vão facilitar bastante.

Quem tem dificuldade de mobilidade nem sempre será um cadeirante, mas é preciso atender a ambos.

No piso, revestimentos mais ásperos, que evitam quedas, e elevações que ajudam pessoas com deficiência visual a caminharem tranquilas. Estas são como uma orientação, indicação de qual caminho deve ser seguido e precisam ser tocadas com a bengala de apoio.

Além disso, é interessante contar com a existência de inscrições em braile nas mesas, entradas de salas e banheiros.

O local precisa ser seguro e não conter obstáculos que prejudiquem o frequentador do espaço colaborativo. Isso significa que os móveis não devem estar no caminho. Ou seja, devem estar mais afastados, ao mesmo tempo que precisam ser facilmente identificados pela pessoa cega.

Ter uma rota acessível também é indispensável e isso começa desde a entrada no coworking. É preciso que a pessoa com deficiência consiga seguir por um caminho sem impedimentos, sozinha, sem precisar pedir ajuda a todo momento.

Neste caminho, o melhor é não ter tapetes (pelo risco de quedas ou de ficarem presos na cadeira de rodas, por exemplo) e apostar no piso antiderrapante, para evitar acidentes.

Por último, não ignore o toalete. É possível apostar no banheiro para deficientes, exclusivo para essas pessoas, ou incluir a adaptação em todos.

A porta de entrada deve ser mais larga, para permitir a entrada de cadeirantes, e, nas paredes ao lado do vaso sanitário, devem estar as barras de segurança.

Acessibilidade no atendimento

O atendimento também precisa ser acessível e, para isso, o primeiro passo é treinar a equipe para lidar com a pessoa com deficiência (PcD) no coworking.

Preconceitos precisam ser eliminados, e, ao mesmo tempo, é necessário entender o que esses profissionais PcD podem precisar.

Tudo começa na divulgação do espaço colaborativo: o profissional responsável por esta parte precisa mostrar que o local é receptivo a PcD. Vale, inclusive, fazer postagens falando sobre a acessibilidade da estrutura.

Quanto ao atendimento presencial, o Community Manager pode ser treinado para recepcionar a pessoa com deficiência. Ele estará à disposição para resolver pequenas questões e ouvir feedbacks

Até porque, por mais preparado que o espaço esteja, a PcD poderá orientar no que é possível melhorar ainda mais, como sugerir recursos e ferramentas de trabalho acessíveis.

Outra questão importante no atendimento é ter alguém preparado para conversar com pessoas com deficiência auditiva e visual. Um profissional que oriente sobre os locais e, no primeiro caso, que entenda a linguagem de sinais. 

É válido ressaltar que nem todo deficiente auditivo se comunica apenas pela linguagem de sinais, muitos são oralizados e preferem fazer a leitura labial. Neste caso, o atendente do coworking deve falar pausadamente, com os lábios voltados para o cliente PcD.

Como você viu, uma forma de preparar o espaço é deixar o Community Manager treinado para a recepção da pessoa com deficiência. Clique aqui e saiba o que considerar ao contratar este profissional para prestar auxílio nas tarefas do coworking.


Texto escrito por Isabella Proença, Redatora freelancer e Bacharel em Administração.

Facebook Comments
Previous
O que é um Community Manager e qual sua importância para coworkings?
Next
7 detalhes atenciosos que os clientes adoram para implementar no seu coworking