Tendências do trabalho flexível mostram a relevância dos coworkings

coworkingFuturo do Trabalho

O trabalho flexível é um formato de execução de atividades em que o colaborador pode escolher o horário de atuação, o local em que estará presente ou ambas as possibilidades. Isso traz vários benefícios para profissionais e empresas, como a maior atração e retenção de talentos. Para os coworkings, é a chance de melhorar o faturamento.

Annie Spratt / Unsplash

Uma nova modalidade que apresenta muitos benefícios para a empresa é o trabalho flexível. Por isso, as companhias que objetivam o aumento da competitividade no mercado estão adotando esse novo formato. 

Um estudo realizado pela consultoria de RH Mercer comprovou esses benefícios. Além disso, revelou as principais tendências desse modelo para as organizações.

Esses pontos são justificativas que incentivam colaboradores e empresas a adotarem o trabalho flexível. Afinal há reflexo nos bons resultados alcançados e na atração e retenção de talentos.

Para o seu coworking, é a oportunidade de atender mais clientes, aumentar as reservas e melhorar seu faturamento. Tudo porque o colaborador passa a trabalhar de forma livre e garante uma boa produtividade.

Por isso, explicamos melhor sobre o trabalho flexível e como ele ajuda o setor de coworkings a se movimentar. Além disso, apresentamos os dados do estudo da Mercer. Então, vamos lá?

O que é o trabalho flexível?

A política de trabalho flexível representa ter uma carga horária e/ou local de trabalho adaptável à realidade do colaborador. Por isso, ele tem liberdade para definir um desses pontos ou ambos.

A ideia de liberdade de cumprir suas atividades no turno desejável e de lugares em que se sinta mais produtivo é o que norteia essa modalidade de trabalho.

Dentro dessa modalidade versátil, o empregado tem como opção fazer seu expediente em diferentes lugares, como em:

  • Casa, no estilo home office;
  • Coworkings, que oferecem toda a infraestrutura para o profissional;
  • Escritório presencial, durante um ou mais dias da semana;
  • Restaurantes, cafés, cafeterias, bibliotecas e outros estabelecimentos comerciais.

No entanto, nem todas as empresas oferecem esse tipo de flexibilidade. Esse quesito pode estar relacionado ao horário de trabalho. Nesse caso, o profissional pode trabalhar em qualquer turno fora do período comercial. Por exemplo, de manhã e à noite.

Portanto, as possibilidades são variadas e vêm se firmando como uma alternativa importante para as empresas.

Para ter uma ideia, 78% dos brasileiros acreditam nessa modalidade de trabalho. Isso foi apontado por um estudo do LinkedIn. Ao mesmo tempo, 30% optaram por deixar seus empregos devido à falta de flexibilidade.

Por sua vez, cada vez mais empresas percebem as vantagens de adotar esse regime de atuação. Uma pesquisa da Deloitte mostrou que 46% das empresas já oferecem algum tipo de flexibilidade para os colaboradores. Desse total:

  • 57% apresentam modelo híbrido, ou seja, parte do trabalho é realizado na empresa e o restante em outros locais, como coworkings;
  • 20% têm horário flexível;
  • 17% oferecem home office.

Todas essas possibilidades se mostram, desde antes da pandemia, muito benéficas para que o empregado tenha mais liberdade em ser ele mesmo, ser mais criativo e também se sentir mais produtivo

Para os coworkings, esses dados representam oportunidades. Afinal, o setor vem se fortalecendo. Tanto é que a perspectiva de crescimento chega a 116% no Brasil até 2024.

Até 2030, a participação dos escritórios flexíveis deverá ser de 30%. Atualmente, é de 5%. Além disso, os espaços de alto padrão serão responsáveis por 15% do total de lajes corporativas do País.

Afinal, quais são as tendências de trabalho flexível?

Agora que você entendeu como essa modalidade funciona e de que forma ela é importante para o seu negócio, conheça as tendências publicadas no estudo da Mercer.

Trabalho em parceria

Antes mesmo da pandemia chegar, o modelo de trabalho flexível e em parceria com empresas já funcionava. Agora, a tendência é que cada vez mais profissionais queiram trabalhar dessa forma.

O estudo da Mercer aponta que 96% dos executivos entrevistados estão trabalhando nesse modelo. Ou seja, focam as entregas, em vez do microgerenciamento do funcionário. Já 70% dos profissionais de RH estão se mudando para esse novo modelo.

Ainda confirmando essa tendência de parceria, uma pesquisa da Microsoft afirma que mais de 40% dos trabalhadores planejam deixar seus empregos formais para aderir ao regime flexível.

Portanto, é a chance de você mostrar o seu espaço para grandes empresas e conseguir mais clientes. Uma plataforma de coworkings, como o BeerOrCoffee, ajuda a atingir esse propósito.

Foco no bem-estar total

Outra tendência importante é o investimento no bem-estar e na saúde física e mental dos colaboradores. Afinal, modelos antigos não são mais suficientes dentro da política de trabalho flexível.

Agora, é preciso reestruturar e aplicar novas estratégias em que se tenha funcionários mais engajados e saudáveis.

Assim, a Mercer identificou que 62% dos trabalhadores entrariam em uma empresa com modalidade de trabalho flexível, remota ou híbrida. Isso porque acreditam que terão mais resultados.

Com isso, muitas companhias começaram a adaptar a sua cultura de trabalho. A ideia é adotar boas práticas — e uma delas é o trabalho flexível.

Apesar disso, o estudo da Mercer também revela que as empresas estão se adaptando a essas novas modalidades, porém sem reestruturar a cultura de trabalho.

Isso pode impactar diretamente no bem-estar do trabalhador, já que 81% das pessoas se sentem em risco de ter um burnout.

Nesse cenário, os coworkings podem ser a saída para as empresas. Isso porque se tornam um local de networking e contato com outras pessoas, ao mesmo tempo que oferecem toda a infraestrutura necessária ao trabalho.

Helena Lopes / Unsplash

Empregabilidade e recapacitação

Não basta apenas incluir a flexibilidade de trabalho. É necessário capacitar os funcionários para as mudanças para não perder os melhores para a concorrência.

Entre os trabalhadores entrevistados pela Mercer, 91% desenvolveram uma nova habilidade no ano anterior. Para a empresa, isso é excelente, mas também representa a necessidade de adaptação para garantir a retenção desses funcionários.

Oferecer melhores oportunidades sem deixar de lado as estratégias principais da organização garante a empregabilidade dos atuais colaboradores. Além disso, assegura mais competitividade entre as empresas, conforme as considerações da Mercer.

Esses são outros fatores relevantes para o seu negócio. Afinal, com mais empresas percebendo esses benefícios, mais elas tendem a incentivar os colaboradores a comparecerem a coworkings.

Adoção da energia coletiva

A energia coletiva é uma possibilidade para inserir os novos modelos de rotina e trabalho flexíveis na empresa. Segundo o estudo da Microsoft já citado, 40% dos entrevistados afirmam que se sentem mais confortáveis em colaborar com as mudanças.

A pesquisa da Mercer segue a mesma linha. Afinal, 51% dos respondentes preferem trabalhar em um lugar que promova a qualidade de vida. Isso porque há mais equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Ou seja, a energia coletiva ajuda a empresa a construir um ambiente equilibrado para os dois lados. Mais uma tendência que contribui para fortalecer o seu negócio.

O levantamento ainda apontou que esse tipo de solução é relevante. Isso porque o nível de funcionários que se sentem energizados sofreu uma queda. Em 2019, era de 74%. Em 2022, chegou a 63%.

Ao mesmo tempo, as expectativas sobre o futuro são elevadas. Tanto é que 51% esperam que o futuro do trabalho seja mais equilibrado.

Manutenção da relevância da empresa

Por fim, os últimos anos e as mudanças nos modelos de trabalho trouxeram análises curiosas dos funcionários. Eles puderam perceber quais são os pontos relevantes a considerar na hora de procurar uma empresa.

Na prática, isso significa que é fundamental se manter coerente com seus fundamentos e valores. Assim, é importante manter um bom propósito, modelo de trabalho e estratégias de investimento.

Dessa forma, é possível efetivar um melhor relacionamento com os diversos stakeholders. Esses quesitos também ajudam na motivação, no engajamento e na atração e retenção de colaboradores.

Para ter uma ideia, a marca e a reputação da companhia são os segundos motivos que fazem com que os funcionários optem por determinado empregador. Além disso, os colaboradores esperam que a companhia reflita seus valores pessoais.

O estudo chegou a indicar que 96% esperam que o empregador adote uma agenda de sustentabilidade. O propósito é equilibrar resultados financeiros a questões sociais, de impacto ambiental e diversidade/equidade.

Todos esses fatores contribuem para o seu coworking. Portanto, fica claro que o trabalho flexível contribui para as empresas e também para os colaboradores.

Por sua vez, quem é dono de coworking tem a chance de mostrar que o seu espaço é o ideal. Para fazer isso, vale a pena fazer uma parceria com o BeerOrCoffee.

Assim, seu coworking estará disponível para centenas de empresas de médio e grande porte. Isso tende a elevar o número de cadeiras reservadas e você aumenta seu faturamento. Então, que tal aproveitar as oportunidades oferecidas pelo trabalho flexível?

Coloque o seu coworking na lista dos melhores do Brasil. Seja parceiro do BeerOrCoffee e fique disponível para mais de 35 mil usuários por mês, lucrando até R$ 961 por cadeira.

Facebook Comments
Previous
Coworking no interior: as vantagens de ter o seu espaço na rede do BeerOrCoffee
Next
Top fones de ouvido para trabalhar no coworking em 2022